DOCUMENTÁRIO RUÍNAS DE MURUCUTU (1976)

RUÍNAS DE MURUCUTU (1976)

O documentário Ruínas de Murucutu (1976), dirigido pelo cineasta Ivan Cardoso, é um importante registro das ruínas do engenho, com destaque para Capela Nossa Senhora da Conceição (1711), construção atribuída a Antônio Landi, que faleceu no próprio engenho. Para além disso, a produção também apresenta o depoimento de Eduardo Galvão, antropólogo referência na produção teórica sobre o fenômeno de aculturação e formulação de políticas indigenistas no Brasil.

O filme Ruínas de Murucutu é um documento sobre processos de transformações culturais no contexto urbano de Belém, de formação da cultura cabocla paraense como reflexo do legado indígena ancestral. Com cerca de 10 minutos de duração, o filme apresenta raras imagens do cotidiano de Belém, com suas avenidas, o mercado do Ver o Peso e cenas do subúrbio com favelas de palafita. A trilha sonora está em sincronia com as questões centrais da produção audiovisual e composta por gravações populares da época, que nos remetem à uma viagem no tempo histórico de Belém.

O antropólogo estruturalista Claude Lévi-Strauss assistiu ao filme “Ruínas de Murucutu” na Cinemateca Francesa, em Paris e fez o seguinte comentário: “por trás da beleza do caboclo, se vê o passado dourado dos indígenas”. O depoimento de Eduardo Galvão versa sobre nossos processos de aculturação, de transformação cultural da população indígena em cabocla amazônida! De tal forma que, o indígena não pode ser tomado apenas como receptor do fenômeno cultural, desconsiderando a reafirmação cultural como forma de manter a condição do indígena enquanto tal.  

Cartaz do filme de 1976

Eduardo Galvão obteve doutorado na Universidade de Columbia com tese publicada no Brasil com título “Santos e visagens: um estudo da vida religiosa de Itá, Amazonas (1955)”. Neste texto, Galvão realiza um estudo sobre a cultura cabocla no Pará, na região próxima à foz do rio Amazonas, focando em seus aspectos religiosos e em sua formação influenciada pela cultura ameríndia local. Por sua vez, o cineasta e fotógrafo Ivan do Espírito Cardoso Filho, nasceu no rio de Janeiro em 1952 e realizou diversas produções, incluindo o filme “Museu Goeldi”, gravado também em 1974.

Na trilha de abertura, Tony pergunta à cantora Cely Campello onde ela vai essa noite e ela responde: “Essa noite, eu vou estudar história”. Alfaiates, pescadores, trabalhadores do Porto do Sal e feira do Ver o Peso, destaque naquele contando com bolo de notas na Pedra do Peixe, ao som frenético do carimbó Tucandeira! Segue o passeio na feira e cenas urbanas de Belém, no chamado período “Desenvolvimentista na Amazônia” pelos Governos Militares.

Passam em cena, mulheres e crianças, no cenário da população ribeirinha vivendo em palafitas, enquanto narrador afirma: “é possível distinguir o ponto que o índio vem aderindo e se transformando num caboclo e até o ponto que ele é exterminado fisicamente. Porque se a gente dá ao colono recente esse direito de uma gleba, porquê a gente não pode dar ao índio isso? Apenas no caso, essas sociedades indígenas a coisa teria que ser comunal e não uma distribuição individual de glebas”.  

Estamos no Murucutu em Retomada Ancestral. Leila:

I CARTA AOS POVOS SOBRE O TERRITÓRIO MURUCUTU

Por Angelo Madson Tupinambá

assista aqui pelo Facebook – https://fb.watch/auPiuJA1NM/

  CANAL IMTV

Leia a I Carta os Povos na Íntegra



Categorias:Sem categoria

Tags:, ,

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: