CURSO LIVRE DE PRODUÇÃO PARA RÁDIO POPULAR E PODCAST: AULA 02 – GÊNEROS E FORMATOS RADIOFÔNICOS

CURSO LIVRE – PRODUÇÃO DE ÁUDIO DIGITAL PARA RÁDIO POPULAR E PODCASTAULA 02# GÊNEROS E FORMATOS RADIOFÔNICOS

Com Angelo Madson Tupinambá

Insitituto Idade Midia .Org

Cartaz de divulgação do Curso

AULA 2 – GÊNEROS E FORMATOS RADIOFÔNICOS

Um salve a todos nós na Teia de Povos e comunidades tradicionais! Eu sou Angelo Madson Tupinambá, de Maery – Belém do Pará. Midiativista e fundador do instituto Idade Mídia – Comunicação para Cidadania.

Estou aqui a convite da teia dos povos para apresentar este mini curso divididos em 3 vídeo aula falando sobre o processo de criação de áudio para rádio e podcast. Estamos na segunda parte desta jornada pela linguagem radiofônica e o tema desta videoaula é a classificação dos gêneros e formatos radiofônicos.

O gênero é uma classificação mais ampla e os formatos são os tipos ou modelos de programa de rádio específico para cada gênero radiofônico.

A classificação dos gêneros radiofônicos é um assunto polêmico, mas irrelevante para nosso trabalho, pois a própria ideia de classificação é questionável. Acredito na importância da classificação sem amarras rígidas no enquadramento das produções de rádio.

Usamos a classificação de gêneros apenas como orientação básica, aqui vamos tomar como referência o livro gêneros radiofônicos de André Barbosa Filho, lançado pela editora paulinas em 2003. Vamos observar estrategicamente alguns gêneros radiofônicos: a citar o publicitário, jornalístico, educativo e ficcional. Mas existem outros gêneros fundamentais como o musical, cultural e entretenimento geral…

O GÊNERO PUBLICITÁRIO OU COMERCIAL no rádio, tem como objetivo e função anunciar produtos e serviços (lembrando que a própria produção radiofônica é tanto produto quanto serviço e também precisar ser anunciada). Principais formatos publicitários são:

• a VINHETA é uma peça curta de 3 a 7 segundos, pode ser de abertura, encerramento, de assinatura (com nome da rádio, apresentadores, DJ, aparelhagem ou do programa de rádio). Mas quando vem dividindo as partes do programa chama-se cortina).

• o JINGLE é um anúncio cantado, normalmente de melodia simples ou conhecida, que tenta fixar como chiclete uma marca ou produto na memória do ouvinte.

• o SPOT é o anúncio mais comum no rádio. É o famoso comercial tem em média 30 segundos a 1 minuto, com campanhas especiais que podem chegar a 3 ou 5 minutos embora raramente. Mas o spot está no presente em todos os gêneros como programetes ou campanhas educativas e institucionais.

O GÊNERO INFORMATIVO OU JORNALISTICO

Tem como objetivo e função informar, atualizar e analisar a dinâmica dos fatos em sociedade. No radiojornalismo chamamos os fatos sociais de notícias, por isso o gênero também é conhecido como noticiário. O gênero jornalístico se apresenta em vários formatos, a citar:

NOTA: é um informe curto (por volta de 30 s.). A nota é sintética e sobre um fato ou acontecimento. Sua principal característica é o tempo curto e ser direta.

NOTÍCIA: é o módulo básico da informação no rádio. Pode ter 30 segundos ou até 1 minuto. A notícia pode ser apresentada em mais de um bloco e por mais de uma locutora ou locutor. A notícia é o relato integral de um fato que já aconteceu.

BOLETIM: é um informativo curto (com no máximo, cinco minutos de duração) e apresentado com maior frequência ao longo da programação, traz uma síntese das notícias e notas mais importantes do dia. Sempre nas horas cheiras da programação.

REPORTAGEM: é uma narrativa completa sobre um fato ou notícia em diversas dimensões e versões. É um relato ampliado e de maior fôlego sobre um determinado tema. Pode incluir entrevistas, externas, a opinião do repórter, BG, etc. A reportagem como formato combina elementos dos gêneros jornalístico e opinativo.

ENTREVISTA: é um diálogo, o formato mais generoso e dialético da comunicação humana. O formato representa uma das principais fontes de coletas de informações do gênero jornalístico. A entrevista é considerada por muitos como uma arte com técnicas adequadas, habilidades e competências. É um depoimento dado a um ou mais repórteres tanto em estúdio quanto em externas. É esperada do repórter isenção e objetividade na elaboração das perguntas, bem como na condução da entrevista.

DEBATE ou MESA REDONDA. São espaços de discursos coletivos. Geralmente exibido ao vivo. É um formato que reúne diferentes personalidades (preferencialmente especialistas sobre um determinado assunto) para apresentar diferentes opiniões e expressarem seus diferentes pontos de vista sobre um ou mais temas. O debate precisa ser mediado por um apresentador ou apresentadora com regras definidas e pode incluir, também, a participação do ouvinte ou público geral.

COMENTÁRIOS: faz parte do segmento jornalístico das programações radiofônicas, serve para reformar uma ideia, dar ritmo e ampliar o cenário sonoro do ouvinte ou sua percepção de um fato. O comentário se caracteriza por seu conteúdo opinativo e conhecimento especializado de um tema, com média de 3 minutos.

EDITORIAL: também é opinativo, mas não é a opinião do comentarista, mas da própria emissora ou veículo. Radio se posiciona sobre os fatos de forma institucional.

• a CRÔNICA jornalística: é uma narrativa através da locução e está na fronteira com a literatura e o jornalismo impresso. Permite maior criatividade no texto.

RADIOJORNAL: possui horários regulares e uma periodicidade diária. É o formato que congrega todos os demais formatos do gênero jornalístico como a nota, notícia, comentários, entrevistas, crônicas e outras peças e diversas sessões como notícias nacionais, internacionais, economia, política, cultura e esportes.

• programas ESPORTIVOS: o esportivo é um formato muito popular no gênero jornalístico tradicional é veiculado no formato de notícia, reportagem, entrevista, transmissões ao vivo, como as clássicas partidas de futebol.

RADIODOCUMENTÁRIO é uma produção radiofônica documental, que mescla checagem dos fatos, comentários de especialistas e entrevistas de envolvidos. É uma análise informativa de um tema específico, com a participação de um repórter condutor da narrativa e desenvolve uma investigação sobre os fatos apresentados.

O gênero educativo é uma das colunas de sustentação das grandes emissoras. A educação no rádio não significa apenas divulgação de conhecimento. Mas está presente em toda produção que busca promover os valores da cidadania, da garantia de direitos, da democracia, dos valores humanos, assim como elevar o nível da consciência social, estimular e reflexão dos agentes ativos da transformação política, e econômica.

EDUCAÇÃO À DISTANCIA (EAD) / TELECURSO é um formato na produção institucional. Geralmente apresentado como divulgação técnio científica. Seu objetivo é divulgar e informar à sociedade sobre trabalhos de pesquisa científica, com roteiro apropriado, linguagem acessível e popular. Pode ter periodicidade fixa na programação da radio, vir como boletim ou no formato podcast.

DOCUMENTÁRIO CULTURAL: é aquele dedicado a temas artísticos, históricos , sociais e/ou culturais. Como os documentários jornalísticos e também podem recorrer aos mais diferentes recursos dos gêneros e formatos.

O GÊNERO FICCIONAL OU ÁUDIO FICÇÃO

Na classificação da professora Heloisa Bauab. A peça radiofônica é um formato clássico e ainda bastante usado na Europa. É uma produção unitária que pode ser de dramatização situação social real da comunidade que o produz (chamado sociodrama). Pode ser uma produção original ou a adaptação de um texto (livro, conto, crônica, história em quadrinhos, etc).

É uma narrativa em áudio e utiliza a engenharia do imaginário com os recursos da sonoplastia. Necessita do trabalho de rádio atores. Possui ligações históricas com as antigas radionovelas e radio teatro. Recurso fundamental para qualquer tipo de produção no rádio.

A linha de partida do gênero entretenimento é a fusão ou combinação entre vários formatos e gêneros é a própria essência da linguagem radiofônica. O desenvolvimento de novas tecnologias de edição de áudio digital permite que se possa explorar com maior riqueza todas as dimensões do universo do áudio.

Ao contrário do que se imagina o rádio continua atual e ampliando os limites de suas produções.

Assim encerramos nosso vídeo aula sobre gêneros e formatos radiofônicos.

Compreender a classificação dos gêneros e formatos amplia também suas possibilidades de criação de roteiros e produção de programas ou podcast. Mas antes de soltar a voz no estúdio, nós precisamos organizar a sequência do programa e por isso no próximo encontro vamos falar da elaboração de roteiros radiofônicos e técnicas de locução!



Categorias:Sem categoria

%d blogueiros gostam disto: