Artigo no Instituto Edgelands (Harvard University) sobre o Instituto Idade Mídia no filme Third World Manager, 2020.

O Instituto Edgelands é uma ação que combina o poder intelectual da academia com a natureza experimental e a energia dos pop-ups artísticos. O instituto pertence à Berkman Klein para Internet e Universidade de Harvard. Além de outros parceiros atuais que incluem OPPI, Purpose, The Global Network of Internet & Society Centres, e Swissnex Network. 

Na sua busca pela compreensão das necessidades de segurança de nossas sociedades cada vez mais urbanas, globalizadas e digitalizadas. Em seu objetivo de canalizar a contribuição radical e transcender as fronteiras disciplinares entre arte, política e pesquisa para ajudar a redesenhar nosso contrato social urbano na era da urbanização, vigilância e bio info/pandemias.

Cartaz do fime O Empresário do Terceiro Mundo (2020). Foto Gabriel Cabral.

O filme “O Empresário do Terceiro Mundo” (Third World Manager, 2020) é uma produção audiovisual, gravada em Belém do Pará e apresentada preliminarmente, em maio de 2020, pelo diretor Matt Guzzo, como encerramento do curso de mestrado em Artes Visuais pela Universidade da Califórnia de San Diego (USA).

Trata-se de uma ficção documental que considera o impacto da cultura do empreendedorismo no ativismo social do Brasil, por meio da história real de Angelo Madson Tupinambá, midiativista da comunicação popular comunitária e contra hegemônica em Belém do Pará e coordena o instituto “Idade Mídia – Comunicação para Cidadania”.

O filme “Empresário do Terceiro Mundo” (Third World Manager, 2020) gerou o evento Diálogos com Angelo Madson & Mateus Guzzo. Uma conversa em português e inglês com tradução assincrônica, que teve como encerramento a Live do Dj Brian Cross, também conhecido comigo DJ B+ (UC San Diego).

Vigilância é rei e o empreendedorismo um de seus representantes

Por: Mateus Guzzo

Ele fala em um microfone em miniatura sobre “democratizar a mídia” – ao vivo no Facebook – para um público de dezenas. A sequência de abertura do documentário Third World Manager (2021)retrata o amálgama precário e confuso de tecnologias da informação com o tecido urbano social até mesmo das cidades mais periféricas do planeta. Angelo Tupinambá, protagonista do filme, orienta o espectador na navegação pela paisagem empresarial (pré-pandêmica) de Belém do Pará – como parte de sua busca para comercializar e fazer crescer sua rádio ativista da web de 15 anos por meio de plataformas online . Enquanto defende um acesso mais democrático e um redesenho público dos sistemas de comunicação, Angelo emprega qualquer plataforma digital, incluindo as privadas, para transmitir sua mensagem. Essa imagem da cidade amazônica é menos uma exceção de como as tecnologias emergentes estão mudando a vida cotidiana, e mais como uma regra: as plataformas digitais são agora a condição para a arquitetura urbana. 

Ainda: Gerente do Terceiro Mundo (2021). Dirigido por Mateus Guzzo.

No filme (assim como na vida real), vemos Ângelo desempenhando uma variedade de funções como parte de seu papel como um empreendedor digital que responde a diferentes plataformas. Ele trabalha como comunicador e criador de conteúdo no YouTube, a fim de educar vários públicos sobre o papel e a importância da comunicação de base como um direito humano. É também organizador do WhatsApp, conectando diversos movimentos sociais em torno das questões de accountability, democratização e representação da mídia. Para isso, Ângelo costuma desempenhar as funções de técnico de áudio, editor de som, programador de rádio e coordenador de sua rádio online ‘ Idade Mídia – Comunicação Cívica‘, documentando a vida de seu projeto no Instagram. Como a web rádio também está hospedada no Facebook, ele também é responsável por atuar como mediador cultural e ministrar workshops em agências locais em troca de participação. Ele faz tudo isso para pagar aluguel e ter acesso à internet, para que possa adquirir doações independentes e assinaturas pagas por meio de plataformas de crowdsourcing para sustentar sua vida, seu trabalho e sua família.

Como podemos ver nesta situação, as plataformas digitais não estão apenas a oferecer serviços “habituais” de forma “agora digital”, mas também a alterar significativamente os termos e condições da nossa sociedade. De acordo com Tarleton Gillespie, as plataformas funcionam de várias maneiras como moderadores, distribuindo trabalho e responsabilidades para seus usuários. Isso é particularmente verdadeiro quando se pensa em questões de trabalho e precariedade que foram aceleradas durante a pandemia, com o surgimento de micro-tarefas e plataformas de entrega. Mas esse processo também opera de uma forma mais sutil, sociopolítica e cultural. Ao fazer com que os usuários gerenciem a si próprios,os trabalhadores da plataforma são elevados à condição de ‘parceiros’ nos termos do contrato social das plataformas digitais. Essa confusão de significado (mas não na realidade) presente nos termos que emergem dos contratos e interações de plataforma permite uma reengenharia das relações sociais e de trabalho, criando uma ‘ propriedade psicológica ‘ dessas plataformas por seus usuários, quando isso é definitivamente não é o caso .

Se antes mesmo das plataformas digitais COVID-19 já administravam muitos aspectos centrais da vida nas cidades – como mobilidade urbana, transações financeiras e acesso a notícias – o urbanismo de quarentena acelerou drasticamente a digitalização do espaço público e da infraestrutura. O modelo predominante de propriedade de dados (e maquínica) e vigilância nas cidades pós-pandemia é aquele em que grandes empresas, sejam governos, forças estatais ou empresas privadas, usam os dados dos cidadãos para maximizar a eficácia de seus serviços e expandir o alcance e a profundidade de sua influência. Exemplos disso podem variar de bons a ruins. O armazenamento e a análise de dados de saúde pública auxiliam na mitigação de infecções por COVID-19. Espionagem militar e corporativa é vista no último vazamentosobre o grupo NSO, que ativamente espionava ativistas, jornalistas e ONGs em todo o mundo. A multiplicidade de funções desempenhadas por Angelo também deve ser considerada neste espectro como mais uma instância desta maior infraestrutura de vigilância: a sua atividade quotidiana, como muitas outras, está muito condicionada pela sua interação com as plataformas digitais.

Como vimos, a ‘agitação’ implícita na interação com essas plataformas não é apenas social, mas também psicológica. Aliadas à história de dependência econômica e subdesenvolvimento do Terceiro Mundo, as plataformas também aceleram o individualismo, a competitividade e a flexibilização de direitos como valores. Em seu livro Chasing Innovation , a Dra. Lilly Irani descreve como as pessoas “juntam todos os recursos de que dispõem (…) para criar oportunidades de investimento que prometem valor para os investidores em nome do desenvolvimento”. Cidadania Empreendedora, como Irani o chamou, é otimizado pela vigilância. Além do escrutínio das comunicações digitais por governos e do uso ativo de plataformas de comunicação para distorcer as eleições em todo o mundo (Brexit, Brasil, Estados Unidos e além), a infraestrutura de vigilância produz mais do que simplesmente dados: ela produz assuntos . Não são apenas os processos extrativos e preditivos que modelam o comportamento público por meio de dados, mas também a capacitação ideológica produzida por estruturas gráficas, relacionais e operacionais de autoexploração e desmobilização.

O caminho a seguir tem sido objeto de acalorado debate na academia. Do ponto de vista de pró-tecnólogos, como Benjamin Bratton por exemplo , chamar o problema de “vigilância” – como uma crítica às sociedades de controle – joga “boas” tecnologias com a água do banho. Stephanie Sherman propõe que, em vez de reciclar a teoria do Panóptico de Foucault para descrever tecnologias complexas, multimodais e multiperspectivas, uma nova teoria sociopolítica é necessária para compreender as sociedades contemporâneas de “polióptico” – um termo para descrever os vários olhos e partes interessadas envolvidas na concepção, implementação e manutenção de sistemas de cidades inteligentes. De uma perspectiva pós-colonial, Paula Chakravartty aponta queO desenvolvimento tecnológico ocidental e os modelos de negócios não são apenas moldados e fornecidos por modelos extrativistas, individualistas e coloniais de urbanização, eles próprios são motores da colonialidade. “Uma realidade colonial, não uma metáfora, em que vivemos e da qual temos de nos libertar”, ecoam também Nick Couldry e Ulisses Meijas, explicando as ‘relações de dados’ pelas quais os utilizadores se relacionam com interfaces, plataformas, infraestruturas, tecnologias. Quão mais complexa pode se tornar a questão do desenvolvimento dos sistemas sociotécnicos urbanos? Pois é, o Angelo Tupinambá, de Belém do Pará, pode dar uma pista.

Como essa questão precisa ser expandida ainda mais, um paradigma de “Democracia da Mídia” – como defendido por Angelo Tupinambá e muitos outros ativistas ao redor do mundo – nos inspira a pensar não apenas sobre o conteúdo de um novo contrato social, mas também sobre seu Formato. Como muitas cidades são moldadas pelo capitalismo de vigilância “de plataforma”, expandir o escopo da análise e trazer processos sociais e culturais marginais para o centro da questão será a chave para redesenhar a forma como as pessoas interagem com as infraestruturas de mídia, como se comunicam e como eles decidem coletivamente. 

REFERÊNCIAS

[1] Gerente do Terceiro Mundo (2021). Dirigido por Mateus Guzzo.

[2] Idade Mídia – Comunicação para Cidadania.

[3] Custodians of the Internet, Tarleton Gillespie.

[4] Gerenciamento do (Terceiro) Mundo, Bill Cooke.

[5] O Novo Proletariado de Serviços, Ricardo Antunes.

[6] 18 Lessons for Quarantine Urbanism, Benjamin Bratton.

[7] Vazamento de Pegasus. O guardião.

[8] Chasing Innovation, Lilly Irani.

[9] Hackathons e a construção da Cidadania Empreendedora, Lilly Irani.

[10] A Vingança do Real, Benjamin Bratton.

[11] O Polyopticon, Stephanie Sherman.

[12] Dados como instrumento de Colonialidade, Paula Chakravatty et al.

[13] Colonizado por dados, Nick Couldry

En español

Un radio-presentador indígena, activista de los medios de comunicación, sostiene un palo de selfie en las orillas del río Guamá, en la selva amazónica, al norte de Brasil. Habla por um micrófono em miniatura sobre a “democratização dos meios de comunicação” -en direto no Facebook- uma audiencia de decenas de personas. La secuencia inicial del documental Third World Manager (2021)muestra la precaria y confusa amálgama de las tecnologías de la información con el tejido social urbano de las ciudades más periféricas del planeta. Angelo Tupinambá, o protagonista da película, guia ao espectador na navegação pelo paisaje empresarial (prepandémico) de Belém do Pará, como parte de seu intento de comercializar e hacer crecer su emissora de rádio web ativista de 15 anos a través de plataformas conectados. Mientras aboga por um acesso más democrático e um rediseño público dos sistemas de comunicação, Angelo emplea cualquier plataforma digital, incluso las privadas, para hacer llegar su mensaje. Esta imagem da cidade amazônica não é tanto uma exceção de cómo las tecnologías emergentes están cambiando la vida cotidiana, sino más bien una regla: Las plataformas digitales son ahora la condición de la arquitectura urbana.

Todavía: Gerente del Tercer Mundo (2021). Dirigido por Mateus Guzzo.

Na película (ao mesmo tempo que na vida real), vemos um Angelo desempeñando diversas funções como parte de seu papel de empresário digital que responde a diferentes plataformas. Trabalhar como comunicador e criador de conteúdo no YouTube, com o fin de educar diversas audiências sobre o papel e a importação de comunicação de base como derecho humano. También es organizador en WhatsApp, conectando varios movimientos sociales en torno a los temas de responsabilidad, democratización y representación de los medios de comunicación. Para ello, Angelo suele desempeñar los papéis de técnico de áudio, editor de som, programador de rádio e coordenador de sua rádio online llamada ‘Idade Mídia – Comunicación Cívica‘, documentando a vida de seu projeto no Instagram. Como la radio web está alojada también en Facebook, también se encarga de actuar como mediador cultural y de comunicador talleres en las sedes locales a cambio de participación. Todo esto lo hace para pagar o alquiler e permitir o acesso à Internet, de modo que possa conseguir doações independentes e suscripciones de pago a través de plataformas de crowdsourcing para manter sua vida, seu trabalho e sua família.

Como podemos ver nesta situação, as plataformas digitais no sólo están ofreciendo los servicios “habituais” de uma manera “ahora digital”, que también están cambiando complementar los términos e condiciones de nuestra sociedad. Según Tarleton Gillespie, as plataformas funcionan en muitos sentidos como moderadores, asignando trabalho e responsabilidades a sus usuarios. É especialmente considerado como sendo mais importante nas tarefas de trabalho e precariedade que deve ser acelerado durante a pandemia, com o auge das plataformas de microtareas e entregas. Pero este proceso también opera de una manera más sutil, sociopolítica y cultural. Al hacer que los usuarios se autogestionen, los trabajadores de las plataformas son superiores a la condición de “socios” en virtud del contrato social de las plataformas digitales. Esta difuminación del significado (pero no de la realidad) presente nos términos que surgem dos contratos e interações das plataformas permitem uma reingeniería de las relaciones sociales y laborales, criando uma “ propiedad psicológica ” dessas plataformas por parte dos usuários dos usuários, cuando en definitiva no es así .

Si ya antes de COVID-19 las plataformas digitais gestionaban muchos aspectos centrais de la vida en las ciudades -como la movilidad urbana, las transacciones financieras y el acceso a las noticias-, el urbanismo de cuarentenaaceleró drásticamente a digitalização do espaço público e as infraestructuras. El modelo de propiedad de los datos (y de las máquinas) y de vigilancia que prevalece en las ciudades post-pandémicas es uno en el que las grandes empresas, ya sean gobiernos, fuerzas estatales ou compañías privadas, utilizan los datos de los ciudadanos para maximizar la eficacia de sus servicios y ampliar el alcance y la profundidad de su influencia. Los ejemplos de esto pueden ir de lo bueno a lo malo. El almacenamiento y analisis de datos de salud public ayuda a mitigar las infecciones de COVID-19. El espionaje militar y empresarial se ve en la última filtraciónsobre el grupo NSO, que espió ativamente a ativistas, periodistas e ONG de todo o mundo .. La multiplicidad de funciones that desempeña Angelo también debe considerarse dentro deste espectro como uma instancia más de esta infraestructura de vigilancia más amplia: su actividad diaria, como la de muchos otros, está muy condicionada por sua interação com as plataformas digitales.

Como hemos visto, el “ajetreo” que implica a interação com estas plataformas no es sólo social, sino también psicológico. Junto com a história de dependência econômica e subdesenvolvimento do Terceiro Mundo, as plataformas também aceleram o individualismo, a competição e a flexibilização de derechos como valores. En su libro Chasing Innovation, la Dra. Lilly Irani esboza cómo la gente “araña los recursos que tiene (…) para crear oportunidades invertibles que prometen valor para los inversores en nombre del desarrollo”. La ciudadanía emprendedora, como la llama Irani, se optimiza con la vigilancia. Más allá del escrutinio de las comunicaciones digitales por parte de los gobiernos y del uso activo de plataformas de comunicación para sesgar las elecciones en todo el mundo (Brexit, Brasil, Estados Unidos y más allá), la infraestructura de vigilancia produzir más que simples datos: produzir sujetos. No se trata sólo de los procesos extractivos y predictivos que modelan el comportamiento público a través de los datos, sino también de la habilitación ideológica producida por las estructuras gráficas, relacionales y operativas de autoexplotación y desmovilización.

O caminho a seguir foi objeto de um debate acalorado no mundo acadêmico. Desde la perspectiva de los pro-tecnólogos, como Benjamin Bratton, por ejemplo , denominar el problema como “vigilancia” -como crítica a las sociedades de control- arroja las tecnologías “buenas” con el agua del baño. Stephanie Sherman propone que, em lugar de reciclar la teoría del panóptico de Foucault para descrever tecnologias complejas, multimodales y multiperspectivas, se necesita una nueva teoría sociopolítica para comprender lases “poliopticas”, un término para descrever los diversos ojos y partes interesadas que participan en el diseño, la implementación y el mantenimiento de los systems of las ciudades inteligentes. Desde una perspectiva poscolonial, Paula Chakravarttyseñala que el desarrollo tecnológico y los modelos de negocio occidentales no sólo están conformados y abastecidos por modelos extractivistas, individualistas y coloniales de urbanización, sino que son ellos mismos motores de la colonialidad. “Una realidad colonial, no una metáfora, en la que estamos viviendo y de la que tenemos que salir”, también ecos Nick Couldry y Ulisses Meijas, explicando las “relaciones de datos” por las que los usuarios se relacionan con interfaces, plataformas, infraestructuras, tecnologías. ¿Cuánto más compleja puede ser la cuestión del desarrollo de los systems sociotécnicos urbanos? Bueno, Angelo Tupinambá, de Belém do Pará, podría darnos una pista.

Dado que esta cuestión debe ampliar aún más, um paradigma de “democracia mediática” -tal como lo defienden Angelo Tupinambá y muchos otros activistas de todo el mundonos inspira a pensar no sólo en el contenido de un nuevo contrato social, sino también en su forma. Dado que muchas ciudades están configuradas por el capitalismo de la vigilancia “de plataforma”, ampliar el alcance del análise y situar los procesos sociales y culturales margines en el centro de la cuestión ser clave to rediseñar el modo en que las personas interactúan con las infraestructuras mediáticas, cómo se comunican y cómo deciden colectivamente.

REFERENCIAS

[1] Gerente do Terceiro Mundo (2021). Dirigido por Mateus Guzzo.

[2] Idade Mídia – Comunicação para Cidadania.

[3] Custodios de Internet, Tarleton Gillespie.

[4] Gestión del (Tercer) Mundo, Bill Cooke.

[5] El nuevo proletariado de servicios, Ricardo Antunes.

[6] 18 lecciones para el urbanismo de cuarentena, Benjamin Bratton.

[7] Filtración de Pegasus. O guardião.

[8] Chasing Innovation, Lilly Irani.

[9] Hackathons e a construção da Cidadania Empreendedora, Lilly Irani.

[10] La venganza de lo real, Benjamin Bratton.

[11] O Polyopticon, Stephanie Sherman.

[12] Los dados como instrumento de colonialidad, Paula Chakravatty et al.

[13] Colonizados por los datos, Nick Couldry

Postado em 20 de julho de 2021



Categorias:Sem categoria

%d blogueiros gostam disto: